Defesa no PPGLI aborda manifestação artística “Beco do Mijo”

Ocorreu na tarde de hoje, 30, a defesa pública de dissertação da mestranda Juliana Feitosa Albuquerque intitulada “Beco-do-Mijo”: drama em cena na Amazônia Acreana”.

Participaram da Banca Examinadora o Prof. Dr. Francisco Bento da Silva – Presidente/Orientador, o Prof. Dr. Marcello Messina – Examinador Interno (UFAC) e a Profa. Dra. Benedita Afonso Martins – Examinadora Externa (UFPA).

IMG_5926
2017 – Defesa de dissertação de Juliana Feitosa Albuquerque

 

DELEGAÇÃO DO PPGLI DA UFAC APRESENTA TRABALHOS EM EVENTOS INTERNACIONAIS

Congresso Tradic_a_o Oral.jpegUma delegação acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade da Universidade Federal do Acre (Ufac) apresentou trabalhos, no período de 2 a 12 de agosto, em três grandes eventos de literatura que movimentaram o meio acadêmico da cidade de Lima, capital do Peru: o 2º Congresso Internacional de Literatura Latino-Americana, 1º Congresso Latino-Americano de Tradição Oral e o 7º Congresso Internacional de Estudantes de Literatura (Conelit).

A delegação, composta por seis estudantes e pelo professor Marcello Messina, viajou do câmpus de Rio Branco em um micro-ônibus da Ufac até a fronteira, em Assis Brasil. Em seguida, se deslocou até cidade de Puerto Maldonado para embarcar em vôo comercial com destino à capital peruana. A delegação contou ainda com a participação da professora Suerda Mara Monteiro Vital Lima (egressa do PPGLI) e do professor Hélio Rodrigues da Rocha, que reside em Porto Velho – RO.

Contemplada com auxílio financeiro para participação em eventos de pós-graduação, a delegação da Ufac discutiu com pesquisadores de várias partes do mundo temáticas como as poéticas orais e história latino-americana; literatura e identidade; literatura latino-americana; cultura, outridade e discursos políticos; violência, memória, invisibilidade e racialidade; música e corpos que não importam; raça, gênero e sexualidade no funk brasileiro.

Na opinião do professor Marcello Messina, a ida dos mestrandos a esses congressos é motivo de orgulho para o curso e um passo importante para ampliar a aproximação com as fronteiras bolivianas e peruanas. Segundo ele, ações como essas vêm sendo realizadas, a exemplo da ocorrida no ano passado com a participação na edição boliviana das Jornadas Andinas de Literatura Latino-Americana (Jalla), evento de grande porte que na edição de 2018 vai ser realizada na Ufac.

“Podemos nos dedicar a esses diálogos, sem necessariamente sermos obrigados a viajar milhares de quilômetros, gastando grandes somas de dinheiro com passagens caras, para disseminar nossa pesquisa nos centros econômicos e políticos do Brasil. Tanto no Congresso de Tradição Oral quanto no Congresso de Estudantes de Literatura, dos quais participei, havia propostas extremamente interessantes, especialmente no que diz respeito ao repensamentodecolonial de conceitos academicamente cristalizados na história e na literatura”, destacou o professor, que já planeja se inscrever nas próximas edições de ambos os eventos.

A mestranda Letícia Porto participou do Congresso de Tradição Oral e do Conelit e diz  que a experiência a ajudará a desenvolver melhor sua pesquisa no curso. “Foi a primeira vez que participei de um evento assim e foi uma experiência gratificante falar um pouco sobre as temáticas com as quais me identifico.”

Já Carlos David Larraondo apresentou duas comunicações no Congresso de Literatura Latino-Americana, realizado pelo Instituto Raúl Porras Barrenechea, e relata que teve a oportunidade de conhecer estudos culturais e literários de diversos lugares da América Latina. “Pude entrar em contato com escritos latino-americanos que não conhecia e entender as diferentes metodologias, abordagens e objetos de estudos que são de interesse da comunidade acadêmica da nossa América Latina. Foram dias de grande aprendizado”, comemorou.

O mestrando Jaidesson Peres foi integrante da mesa, com o professor Hélio Rocha e a colega de curso Lays Emmanuelle Viéde, que debateu sobre poéticas orais e história latino-americana. Apresentando um estudo a respeito da obra do poeta amazonense Thiago de Mello, o estudante afirmou que encontrou no Congresso de Literatura Latino-Americana o espaço ideal para expor a poética de expressão amazônica. “A Amazônia, tanto no Brasil como no Peru, ainda é tratada como região periférica, e a expressão poética de Thiago de Mello está intimamente ligada à Amazônia. Busquei mostrar com este trabalho o compromisso desse poeta que alcançou reconhecimento nacional contra a marginalização da região e a destruição ambiental”, finalizou.

 

Relação dos trabalhos que foram apresentados pela delegação da Ufac

 

2º Congresso Internacional de Literatura Latino-Americana

“As atrocidades do colonialismo no Putumayo durante o boom da indústria da borracha”, Hélio Rodrigues da Rocha.

“O canto do uirapuru: a floresta poética de Thiago de Mello”, Jaidesson Oliveira Peres e Maria Rosana Lopes.

“Eju orendive: corpos em palavras: brôMC’s e a (com)posição da alteridade no entre-lugar Guarani-Kaiowá”,  Lays Emanuelle Viédes Lima e Gerson Rodrigues de Albuquerque.

“Trânsitos culturais em ‘Um defeito de cor’, de Ana Maria Gonçalves”, Rodrigo Monteiro de Carvalho.

“A heterotopia do som no conto ‘A terceira margem do rio’, de Guimarães Rosa”, Carlos David Larraondo Chauca e Suerda Mara Monteiro Vital Lima.

“Um ‘Inkarri textual’ na narrativa de Pedro Granados”, Suerda Mara Monteiro Vital Lima e Carlos David Larraondo Chauca.

McOndo, La noche es virgen y la subversión carnavalesca del lenguaje
Jesús Diez Canseco Carranza

1º Congresso Latino-Americano de Tradição Oral

“Violência, memória, (in)visibilidades e racialidade: perspectivas transcontinentais”, Marcello Messina, Teresa Di Somma e Letícia Porto Ribeiro.

“A trajetória de Maria Auxiliadora Oliveira Schneider e algumas reflexões na oralidade da Colônia Cinco Mil, Igreja do Santo Daime”, Rodrigo Monteiro de Carvalho.

 

7º Congresso Internacional de Estudantes de Literatura

“A Música e os corpos que (não) importam: reações na música popular a massacres perpetrados pelo Estado”, Letícia Porto Ribeiro e Marcello Messina.

“Do rebolado à faxina: questões de raça, gênero e sexualidade entre Ludmilla e Biel”, Teresa Di Somma e Marcello Messina.

JALLA 2018 – 2ª Convocatória

Jalla site.pngXIII JORNADAS ANDINAS DE LITERATURAS LATINOAMERICANAS – JALLA – AMAZÔNIA 2018

“ÉTICAS E POÉTICAS DOS MUNDOS ANDINOS-AMAZÔNICOS: TRÂNSITOS DE SABERES, LINGUAGENS E CULTURAS”

 

SEGUNDA CONVOCATÓRIA

 

SUBMISSÃO DE PROPOSTAS DE COMUNICAÇÕES EM SIMPÓSIOS TEMÁTICOS, COMUNICAÇÕES LIVRES E OFICINAS

Informamos que no período de 29 de agosto de 2017 a 29 de janeiro de 2018 estarão abertos os prazos para inscrições de propostas de Comunicações Orais em Simpósios Temáticos, Comunicações Orais Livres e Oficinas. As pessoas interessadas devem atentar para os seguintes critérios e condições:

 

 I – Comunicações Orais em Simpósios Temáticos – deverão ser submetidas por uma ou, no máximo, duas pessoas.

Para a submissão de proposta de Comunicação em Simpósio Temático as pessoas interessadas deverão preencher e enviar o formulário eletrônico com as seguintes informações:

  1. a) Conter o título da comunicação e um resumo de 150 a 500 palavras.
  2. b) Conter objetivo(s) e  consistência na abordagem teórico/metodológica.
  3. c) Indicar um mínimo de três e um máximo de cinco palavras-chave (separadas por ponto).
  4. d) Não conter parágrafos, subtítulos ou citações.

 

II – Comunicações Orais Livres – deverão ser submetidas por uma ou, no máximo, duas pessoas.

Para a submissão de proposta de Comunicação Livre as pessoas interessadas deverão preencher e enviar o formulário eletrônico com as seguintes informações:

  1. a) Título da comunicação oral e um resumo de 150 a 500 palavras.
  2. b) Objetivo(s) e  consistência na abordagem teórico/metodológica.
  3. c) Indicar um mínimo de três e um máximo de cinco palavras-chave (separadas por ponto).
  4. d) Não conter parágrafos, subtítulos ou citações.

 

III – Oficinas – Trata-se de apresentação de resultado de estudo ou tese que poderão ser submetidas individualmente ou por grupos de pesquisa, a partir de determinada linha de investigação de médio ou longo prazo, podendo também se constituir a partir de uma proposta de reflexão ou recapitulação de conceitos que incorporem a crítica e a teoria literária na América Latina. Os temas para as Oficinas são livres, podendo seus/suas proponentes incorporarem um dos temas do Congresso. A duração de cada oficina será de 02 (duas) horas, devendo a metade do tempo ser destinado aos debates com o público presente.

As Oficinas deverão ser propostas por instituições ou grupos de intelectuais ou por Secretários JALLA.

Para a submissão de proposta de Oficina as pessoas interessadas deverão preencher e enviar o formulário eletrônico com as seguintes informações:

  1. a) Título da oficina e um resumo de 300 a 1000 palavras.
  2. b) Objetivos e a linha de pesquisa e/ou reflexão ou recapitulação conceitual da oficina.
  3. c) Indicação de um mínimo de três e um máximo de cinco palavras-chave (separadas por ponto).

 

OBSERVAÇÃO: Os Secretários e Secretárias das JALLA terão suas propostas de oficinas automaticamente aprovadas.

 

 

CRONOGRAMA

 

  • 29 de agosto de 2017 a 29 de janeiro de 2018: período de submissão de propostas de Comunicações Orais em Simpósios Temáticos, Comunicações Orais Livres e Oficinas.
  • 31 de março de 2018: data limite para envio dos textos completos para publicação nos Anais do evento.
  • 30 de abril de 2018: data limite para os inscritos (com apresentação de trabalhos) efetuarem o pagamento da taxa de inscrição.
  • 31 de julho de 2018: data limite para inscrição e pagamento das taxas para ouvintes com direito a receber certificados de participação.
  • 06 a 11 de agosto de 2018: JALLA – Amazônia, no câmpus da Universidade Federal do Acre.

 

OBSERVAÇÃO: Para se inscrever como Ouvinte (com direito ao recebimento de Certificado de Participação), os interessados deverão efetuar o pagamento da taxa, preencher e enviar o formulário eletrônico de inscrição nessa modalidade até o dia 31/07/2018.

 

Valores das taxas de inscrição

Professores e pesquisadores universitários ou equivalentes: $ 100

Professores e pesquisadores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico: $ 75

Estudantes de pós-graduação: $ 50

Estudantes de graduação: $ 30

Ouvintes (com certificados): $ 20

Ouvintes (sem certificados): gratuito.

 

Taxas convertidas de ($) dólar para real (R$)*

Professores e pesquisadores universitários ou equivalente: R$ 328,00**

Professores e pesquisadores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico: R$ 246,00

Estudantes de pós-graduação: R$ 164,00

Estudantes de graduação: R$ 98,00

Ouvintes (com certificados): R$ 49,00

 

* R$ é a moeda brasileira, o real (BRL)

** Observe que a taxa de câmbio utilizada para a conversão de USD para BRL foi estabelecida de acordo com a cotação do dólar na data de 16 de junho de 2017, no valor de USD 1.00 = R$ 3,28. A lei brasileira exige que os participantes sejam cobrados na moeda nacional. Como resultado, a reconversão das taxas anunciadas em R$ de volta para o USD e, em sua moeda do cartão de crédito, podem flutuar em torno dos valores médios em dólares norte-americanos aqui indicados, dependendo da data específica em que os participantes realizam seus pagamentos. A Comissão de Organização do Evento se reserva o direito de atualizar a referida cotação quando achar necessário.

 

OBSERVAÇÃO I: Os participantes residentes no Brasil deverão efetuar o pagamento da Taxa de Inscrição por intermédio de Depósito Bancário, até a data limite de 30/04/2018, e enviar o comprovante pela própria Área do Inscrito no site do evento. Os dados bancários para o pagamento da taxa também estão disponíveis na Área do Inscrito.

 

OBSERVAÇÃO II: Os participantes residentes em outros países que não conseguirem efetuar o pagamento da Taxa de Inscrição pelo Paypal, poderão fazê-lo no ato do credenciamento, junto à Secretaria JALLA, em Rio Branco, Acre.

 

OBSERVAÇÃO III: Quaisquer dúvidas, dificuldades ou sugestões, por favor, enviar mensagem para o endereço eletrônico: jallamazonia@gmail.com

 

Mais informações:

www.jalla2018.org

 

 

‘Sete ventos’ destaca mulher negra no Teatro de Arena do Sesc

O espetáculo “Sete Ventos” integra até o fim do mês de agosto a programação do Teatro de Arena do Sesc Acre. Todos os sábados, partir das 19 horas, o Projeto “Encena na Arena” apresenta o monólogo baseado em depoimentos de mulheres negras.

Sete Ventos é o resultado da pesquisa da atriz carioca Débora Almeida sobre os elementos simbólicos e performáticos existentes na mitologia afro-brasileira e sua utilização junto aos Elementos da Linguagem Teatral. Baseia-se nas reflexões da artista sobre o universo feminino negro e utiliza depoimentos e relatos de mulheres negras entrevistadas por ela.

“Contamos a história de Bárbara, escritora negra, filha de Iansã, orixá da mitologia afro-brasileira, que junto ao público conta e revive as histórias das mulheres que a influenciaram.  Iansã é a deusa dos raios e ventos, que varia entre a mais calma brisa até a pior das tempestades. São sete mulheres, sete qualidades de Iansã, variando entre esses elementos, idade e classe social, cruzando histórias reais com as histórias mitológicas”, explicou a atriz Débora Almeida.

Através de Bárbara, que expõe suas dúvidas e o seu processo de crescimento baseado em uma educação que sempre privilegiou a referência à sua ancestralidade negra, mostra-se a história da mulher negra brasileira que tenta reconstruir sua história e construir sua identidade cercada pelas contradições do seu cotidiano. Temas como amor, solidão, superação, racismo e machismo estão presentes na peça, que apresenta temas específicos da mulher negra e temas que se cruzam com o cotidiano de todas as outras mulheres, independente de classe social ou cor. O encontro da personagem com Iansã é o momento máximo da história. Há também música e dança.

A figura da atriz funciona como a figura do griot, personalidade tradicional da oralidade africana, símbolo dos que narram contos nas sociedades africanas, depositários de histórias, de testemunhos ou tradições.

O espetáculo estreou em outubro de 2009 e recebeu o Prêmio Myriam Muniz de Teatro no mesmo ano. Já fez temporada no Rio de Janeiro circulou pelo Brasil em festivais nacionais e internacionais. Em 2015 virou livro publicado pela Editora Autografia, no Rio de Janeiro, e em 2018 será publicado na Europa, em Madrid, através da editora espanhola Ediciones Ambulantes.

 

SETE VENTOS

Período: Todos os sábados do mês de agosto

Horário: 19 horas

Duração: 60 minutos

Classificação etária: 14 anos

Local: Teatro de Arena do Sesc Centro

Ingressos:  R$ 10 (inteira) e R$ 5 (estudantes e comerciários)

Jaidesson Peres
Jornalista