O Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade da Universidade Federal do Acre (PPGLI – UFAC) iniciou suas atividades acadêmicas no ano de 2006, com a implantação do Curso de Mestrado em Letras: Linguagem e Identidade. A proposta inicial desse Programa foi aprovada e recomendada pela CAPES no contexto do ano de 2005, com o ingresso da primeira turma no primeiro semestre de 2006, com o Conceito 3. Em 2017, como resultado da avaliação da quadrienal 2013-2016, o Programa obteve Conceito 4 e, em 2019, após a aprovação e recomendação pela Comissão de Área e CTC da Capes, iniciou o Curso de Doutorado, com o ingresso da primeira turma.

O PPGLI tem desenvolvido programas e projetos de extensão (publicações, cursos de curta duração, ciclos de conferências, palestras e oficinas) voltados para alunos e professores de graduação e da educação básica, comunidades indígenas e organizações de trabalhadores de cidade e florestas da Amazônia Sul-Ocidental. No que tange à realização  de eventos de natureza acadêmica, científica e cultural, promovidos pelo PPGLI da UFAC,  ganha destaque o Congresso Linguagens e Identidades Amazônicas (LIA), desde o ano de 2007, tem sido realizado anualmente em conjunto com o Colóquio Internacional as Amazônias, as Áfricas e as Áfricas na Pan-Amazônia, com grande participação de intelectuais de renome nacional e internacional e o envolvimento de agentes culturais, professores e estudantes da educação superior e da educação básica da Amazônia Sul-Ocidental.

No ano de 2017, após dez anos de ininterrupta realização no campus universitário da UFAC, o LIA se tornou um evento itinerante nessa parte da Amazônia e, em sua décima primeira edição, foi realizado na Universidade Federal de Rondônia, na cidade de Porto Velho, com ampla participação de professores da rede básica de ensino acreana, assim como de alunos e professores de graduação e pós-graduação de diferentes estados brasileiros e dos países vizinhos.

Evidenciando sua repercussão e consolidação regional, no ano de 2018, o XII LIA foi realizado na cidade de Lima, Peru, tendo como anfitriã a Universidad para el Desarrollo Andino (UDEA). A permanente realização de eventos desse porte, aliada à presença e circulação de intelectuais com importantes proposições teóricas e práticas têm possibilitado um amadurecimento das reflexões, estudos e pesquisas realizadas no PPGLI – UFAC ao longo de uma década e meia, contribuído para sua visibilidade, impacto regional, capacidade de nucleação e solidariedade, em permanentes diálogos com outros programas do norte brasileiro e demais regiões do país e do mundo. Os resultados desses diálogos se expressam nas dissertações defendidas no Programa e nas parcerias de pesquisa, intercâmbios e publicações, bem como na realização de outros importantes eventos para a área de Linguística e Literatura, como foi o caso do I Encontro do Grupo de Estudos Linguísticos e Literários da Região Norte – GELLNORTE, realizado no campus da UFAC em outubro de 2017, com a presença de representantes de todos os PPGs na região Norte e inúmeros outros professores e alunos que apresentaram trabalhos durante o evento que culminou com a aprovação do Estatuto e a eleição da Primeira Diretoria do GELLNORTE.

Em 2018, o PPGLI da UFAC sediou o XIII Congresso das Jornadas Andinas de Literatura Latinoamericana – JALLA, um dos eventos de literatura mais importantes em escala continental que, desde o ano 1993, a cada dois anos, se realiza em um país diferente, sendo essa a segunda vez que o mesmo foi sediado no Brasil, a exemplo do que aconteceu no ano de 2010, na Universidade Federal Fluminense, em Niterói, Rio de Janeiro, com a presença de pesquisadores, autores, professores e estudantes do Brasil e de todos os demais países latinoamericanos.

Em 2019, o Programa sediou a realização do XIII LIA e o III Seminário Internacional de Linguagens e Culturas Indígenas (SILCE), com grande participação de alunos e professores e ampla repercussão junto ao público de professores, alunos e outros professores da tríplice fronteira amazônica (Brasil-Bolívia-Peru). Neste ano de 2020, o PPGLI sedia o Fórum de Coordenadores de PPGs da Área Linguística e Literatura da Região Norte; as XIX Jornadas Andinas de Literatura Latinoamericanas de Estudantes – JALLA-E; e o XIV Congresso Linguagens e Identidades Amazônias – LIA.     

Todos esses eventos, trânsito e circularidade em torno de ideias, conceitos, teorias, produção acadêmica, conexão de saberes e profissionais reflete a feição interdisciplinar e transdisciplinar do PPGLI desde sua criação. Uma feição positivamente afinada e em consonância com a realidade sócio-histórica da Universidade Federal do Acre, que, desde sua federalização no ano de 1974, vem se notabilizando como uma instituição voltada para a formação de professores, seu maior legado não apenas para as populações humanas de cidades e florestas da Amazônia acreana. Uma interdisciplinaridade que guarda íntima conexão com as demandas do terceiro milênio, especialmente, com o que Néstor Garcia Canclini (2000) classificou de “ciências nômades”, isto é, a produção de conhecimentos com base na análise de objetos de pesquisa a partir de diferentes perspectivas pelos olhares de pesquisadores com formação diversificada em busca de respostas e concepções inovadoras aos desafios dos tempos presentes.

Nesse aspecto, consideramos importante destacar aspectos importantes do documento da Área Linguística e Literatura, fundamentalmente, no sentido de considerar que, em sua composição, essa área “aborda estudos literários, linguísticos e interdisciplinares, cujo enfoque crítico-teórico, descritivo e analítico tem como objeto de análise a língua e a literatura em seus mais variados escopos. Tais estudos perpassam inúmeras perspectivas, a exemplo dos estudos da tradução, dos estudos culturais, dos estudos aplicados, das questões relativas ao ensino”. Considerando a interdisciplinaridade como elemento basilar de “sua concepção teórico-crítica, permitindo um redimensionamento de seus objetos e métodos de investigação, conduzindo a uma reflexão epistemológica atenta a várias possibilidades de análise”, o referido documentos indica ainda que, “seja no domínio da língua seja no da literatura”, ganha importância a abertura para reflexões de “conceitos fundamentais, abrindo-os à interferência de teorias e métodos de outras áreas e disciplinas, cujo diálogo interdisciplinar conduz a uma percepção diferenciada, que não se reduz a uma simples justaposição, mas, sim, a uma transversalidade que perpassa as várias disciplinas”.

Nessa direção, o PPGLI da UFAC se insere entre aqueles programas que, no escopo conceitual da área, tem em seu foco principal o caráter inter e transdisciplinar como meio para enfrentar os grandes desafios para a Área de Linguística e Literatura, que se configura em encarar as “demandas trazidas pelo século XXI que não encontram respostas na disciplinarização, na compartimentalização e na divisão de saberes. Ações de natureza inter e transdisciplinares, voltadas para a integração entre disciplinas e deslocamento de fronteiras disciplinares rígidas, colocam-se, portanto, como fundamentais no fazer científico da contemporaneidade”.

Partindo dessas considerações, é possível afirmar que, no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade, os estudos linguísticos e literários sempre interagiram, alimentaram e se retroalimentaram de abordagens do campo dos estudos culturais, decoloniais, de gênero, da tradução cultural, do ensino e formação docente, além de outros diferentes objetos de pesquisas dos universos amazônicos e pan-amazônicos, eixo da concepção inicial do Programa.

No início deste quadriênio, em 2017, a partir de processos de avaliação interna, realizados entre os anos 2015-2016, sob a supervisão e acompanhamento de pareceristas indicados pela Coordenação de Área Linguística e Literatura, o PPGLI da UFAC passou a se estruturar em torno de uma única Área de Concentração, Linguagem e Cultura, com duas linhas de pesquisa 1) Culturas, Narrativas e identidades Amazônicas; e 2) Língua(gens) e Formação Docente. Em torno dessa área de concentração e linhas de pesquisa foram pensadas as ementas e propostas curriculares das disciplinas obrigatórias e eletivas, orientando a elaboração dos projetos de pesquisa, que também espelham a diversificada formação do corpo docente do Programa, propiciando uma maior harmonia e articulação entre área de concentração, linhas de pesquisa, projetos de pesquisa e disciplinas, como forma de melhorar a formação discente e a qualidade das pesquisas, estudos, trabalhos acadêmicos e ações de intercâmbios desenvolvidas no e pelo Programa.

Nessa mesma direção, merece destaque a proposta inovadora do PPGLI – UFAC, com a criação e implantação do Laboratório de Interculturalidade, no ano de 2018, como síntese da marca identitária desse Programa, que privilegia o desenvolvimento de estudos e pesquisas voltadas para a compreensão e revelação dos universos amazônicos em sua relação com o mundo, com especial atenção às culturas e contatos linguísticos amazônicos e pan-amazônicos. O foco da ação desse laboratório está centrado no apoio à formação de professores indígenas em uma perspectiva intercultural e em íntima conexão e diálogo com seus saberes e textualidades.

“Lugar de trabalho, o Laboratório de Intercultralidade conecta pesquisadores de diferentes instituições com a perspectiva de produzir traduções que viabilizem o conhecimento e a relação entre os diferentes. Diferentes tradições, paisagens, línguas e linguagens: todas as passagens que se possam vislumbrar no exercício constante, nas dobras e redobras do movimento tradutório” (ver http://labintercult.com.br/). A implantação desse laboratório ganhou materialidade com a aprovação do projeto “Formação docente para a diversidade cultural”, submetido pelo PPGLI ao Edital Capes nº 20/2018 Professor Visitante Nacional Sênior/Amazônia, que possibilitou o ingresso da Professora Dra. Maria Inês de Almeida, na condição do docente visitante do Programa.

Outro laboratório, implantado no Programa com financiamento Capes e MCT é o CEPRODOC – Laboratório de Digitalização, Recuperação e Reprodução de Fontes Documentais, em pleno funcionamento desde o ano de 2014 como parte das atividades do Grupo de Pesquisa História e Cultura, Linguagens, Identidades e Memória (GPHCLIM), integrante do Programa desde o ano de 2007. Além do apoio à realização de inúmeras pesquisas, o CEPRODOC está conectado com a gravação e produção de material audiovisual, atendendo a diferentes programas de pós-graduação da UFAC e instituições ou organizações sociais amazônicas.