“Desde as Amazônias: colóquios” promove discussões sobre linguagens e identidades

imageO professor da Universidade Federal do Acre (Ufac), Gerson Albuquerque, lançou recentemente, como organizador, o volume 1 da publicação “Desde as Amazônias: colóquios”. Neste volume constam trabalhos dos primeiros quatro de sete anos do colóquio As Amazônias e as Áfricas, que é uma ação do simpósio Linguagem e Identidade. A organização da obra também é assinada por Maria Antonieta Antonacci.

Para Albuquerque, a publicação fecha um ciclo de extensão. “Essa publicação é essencialmente extensão. É quando você apresenta para a sociedade o resultado de pesquisa ou de ensino. Materializamos isso na forma de uma publicação”, explicou. São sete anos de realização de um evento que reuniu pensadores amazônicos, brasileiros, indo-americanos, africanos e norte-americanos para pensar as Amazônias e as Áfricas.

Já o volume 2 da publicação é, segundo o professor, “bem mais amplo”.

O volume 2 da publicação está listado na bibliografia do programa de seleção para o curso de mestrado em Letras: Linguagem e Identidade, da Ufac. Albuquerque atribui isso ao fato de que o livro é uma leitura atual. “Para além do mestrado, este livro coloca a Ufac no cenário de reconhecimento muito maior do que nós mesmos dimensionávamos quando começamos a fazer o evento [Simpósio Linguagem e Identidade]”, disse ele. “O livro mostra o que nós estamos fazendo na universidade e está articulado com o que é feito no Brasil, na América e até em alguns locais da África. Estamos em um diálogo com esses teóricos e suas produções acadêmicas.”

A publicação tem texto de apresentação do professor do Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA) e de Pós-Graduação em História (PPHIST) da Universidade Federal do Pará (UFPA), Agenor Sarraf Pacheco. Que ressalta a “inacreditável façanha de reatar nós rompidos ou impossibilitados ao reunir ativistas, educadores e pesquisadores do Acre, Pará, Rondônia, Amazonas, Alagoas, Rio Grande do Norte, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso e Roraima ao lado de intelectuais do Senegal, Estados Unidos (Nova Iorque, Texas, Califórnia, Chicago), Canadá, Chile, México, Peru, Bolívia, Porto Rico e Jamaica”.

Pacheco destaca ainda a “multiplicidade de fontes e teorias interpretativas operadas pelas escrituras dos capítulos que conformam os dois volumes de ‘Desde as Amazônias’ parece revelar a existência de um sentimento que se faz ponte: o desafio de ultrapassar projetos de investigações que se centram tão somente para ‘identificar e classificar o outro’. Precisamos, de agora em diante, voltar nossa cosmovisão para as conexões que nos constituem em uma comunidade de sentimentos, pois, apesar das desigualdades, separações, assimetrias e formas de submissão, vivemos ‘com os outros’, somos eles e eles são nós”.

A exemplo do volume 1, o livro deve ser vendido nas livrarias do Acre ao preço de R$ 40. Para professores e estudantes o livro tem 20% de desconto. A metade da edição será disponibilizada para bibliotecas públicas. “Para acesso de todos”, lembrou Albuquerque.

A publicação será oficialmente lançada durante o 9º Simpósio Linguagem e Identidade, que acontece de 9 a 14 de novembro na Ufac. Após o lançamento, os dois volumes ficarão disponíveis na internet.

O livro tem financiamento público através da Lei de Incentivo à Cultura da prefeitura de Rio Branco e de convênio com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Por conta disso, uma parte das publicações deve ser destinada a escolas públicas. Além das escolas, Albuquerque pretende fazer com que movimentos sociais também tenham acesso ao livro. “Isso ajuda a manter a finalidade social. Além de que os movimentos sociais são o foco da nossa preocupação”, afirmou.

O nascimento de uma editora

“Desde as Amazônias: Colóquios” marca a estreia da Nepan Editora, que surgiu para atender a uma demanda de agilidade nas publicações dos trabalhos apresentados no colóquio “As Amazônias e as Áfricas”. Albuquerque explicou que quem vem para o evento, ao final, já quer levar um CD com os anais para assim poder atualizar o Lattes. “E isso não acontecia.”

A Nepan não tem nenhum fim comercial e, conforme Albuquerque, tem o objetivo de viabilizar publicações. “Agora com a editora, quando o conferencista apresentar seu trabalho já recebe o certificado e o CD com a publicação dele”, comentou. “O diferencial da nossa editora é que temos um conselho editorial formado por profissionais de outras instituições, não só da Ufac. Isso melhora a avaliação da publicação e dá maior respeitabilidade para a editora.”

Postado em: 6/11/2015 por ASCOM Ufac

%d blogueiros gostam disto: