“Vejo avanços e mais uma etapa produtiva”, diz Doutora do PPGLI sobre mais uma dissertação apresentada em 21 meses na Ufac

SILVÂNIA PINHEIRO, PARA CONTILNET

21/12/2016 09:12:54

A Professora Dra. Francielle Maria Modesto Mendes, orientadora da mestranda do Programa em Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade (PPGLI), Jirlany Marreiro Bezerra, avaliou na tarde desta terça-feira (20), a dissertação “Entre as grades e as ruas: Estudo do percurso da mulher no sistema prisional de Sena Madureira – Acre” como mais um dos estudos que contribuem para o avanço e a produtividade dos trabalhos acadêmicos da Universidade Federal do Acre (UFAC).

A pesquisa de Jirlany Bezerra, que discute a reincidência da mulher no sistema prisional no município de Sena Madureira, seus deslocamentos e desconstruções identitárias decorrentes, foi analisada por Francielle Modesto como fruto de um intenso contato entre orientando e orientador, revelando um processo de profundos debates e estudos sobre o tema em questão. “A Jirlany é a minha primeira orientanda a defender. Sempre demonstrou muito interesse pela pesquisa e uma ampla busca por orientação, de modo que todos os erros e acertos nesse percurso são nossos. Vejo grandes avanços no seu trabalho, principalmente por observar o contato registrado entre a aluna e a banca durante o período de sua pesquisa. Fico muito feliz em ter trilhado esse caminho como sua orientadora”, disse.

Baseada nos conceitos de Erving Goffman, Michel Foucault, Stuart Hall, Kathryn Woodward, a mestranda mencionou em sua defesa que à medida que ouvia os relatos de experiências de diferentes mulheres reincidentes, pôde construir um olhar sobre a realidade vivenciada por elas. Uma realidade inacabada, deslocada e desconstruída. “Esse olhar me permitiu uma reflexão sobre o processo de violência, de poder, de verdade e de discurso em que todos os sujeitos, em especial, as mulheres presas, vivenciam, marcando em suas identidades fissuras que ultrapassam o limite do tempo e da razão”, observou ela.

Fizeram ainda parte da banca avaliadora o Professor Dr. Hélio Rodrigues da Rocha, da Universidade Federal de Rondônia, e a Professora Dra. Marisol de Paula Reis Brandt, que possui doutorado em Sociologia e é professora do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFAC. Marisol Reis parabenizou as escolhas teóricas, o esforço e a coragem da mestranda em pesquisar um tema polêmico e complexo para a sociedade e a academia. Hélio Rocha também parabenizou a dedicação de Jirlany Bezerra e seu compromisso com a academia como mais uma aluna do PPGLI que apresenta a defesa de sua dissertação em 21 meses, antes, portanto, do prazo limite de 24 meses. “Sem dúvida alguma é uma luta contra o tempo. E isso já é um mérito. Temos aqui um trabalho que contribuirá muito para a academia não somente a nível regional, mas nacional”, afirmou.

A professora Francielle Modesto, assim como o professor Hélio Rocha são ex-alunos do Mestrado em Letras: Linguagem e Identidade e atualmente integram o corpo docente do PPGLI. “Eu que fui aluna desse mestrado não canso de dizer que tive excelentes referências e apoio nos momentos de dificuldades e lutas da minha pesquisa e, por isso mesmo, me sinto feliz em fazer parte dos trabalhos de orientação, contribuindo para que mais uma aluna saia daqui como uma pesquisadora, como é o caso da Jirlany Bezerra”, disse Francielle.

O coordenador do PPGLI, Professor Dr. Gerson Rodrigues Albuquerque, recorreu à máxima de que nada acontece por acaso, reiterando que com dissertações como a de Jirlany Bezerra, e de outros alunos do Mestrado em Letras, é possível mostrar que podemos produzir estudos de qualidade que geram impactos para a sociedade, refletindo o empenho de mestrandos e orientadores. “Certamente dissertações como essa fazem o programa crescer ainda mais. A coordenação do programa apostou na qualificação de seus indicadores de avaliação, como a redução do tempo das defesas, e hoje colhe os frutos de vários anos de trabalho”, disse o coordenador.

Jirlany Bezerra é natural de Sena Madureira. É psicóloga e trabalhou por um longo período no sistema prisional do município. Atualmente, atua como professora do Instituto Federal do Acre (IFAC), no município de Sena Madureira. Ao finalizar sua apresentação, Jirlany agradeceu todas as considerações feitas ao seu trabalho e disse que sua maior lição durante o Mestrado em Letras foi compreender que ela deve seguir estudando e aprendendo, pois essa é uma tarefa interminável para o ser humano.

img_3734

2016 – Defesa de dissertação de Jirlany Marreiro Bezerra

%d blogueiros gostam disto: