Professora da Ufac publica livros sobre identidades híbridas e imaginário na Amazônia

Em 2016, a pesquisadora lançará os livros “Imaginário na Amazônia: os diálogos entre história e literatura” e a obra “Jornalismo e Meio Ambiente em Pauta”

REDAÇÃO CONTILNET

21/02/2016 21:01:06

A pesquisa da professora da Universidade Federal do Acre (Ufac), Francielle Maria Modesto Mendes, centra-se na discussão sobre as identidades híbridas, imaginário na Amazônia e jornalismo e meio ambiente. A docente já tem três livros publicados e vai lançar mais duas obras em 2016.

Em 2009, Francielle lançou seu primeiro livro, intitulado “Identidades híbridas: o lugar das personagens ficcionais na obra Coronel de Barranco”. O estudo é fruto de sua dissertação de mestrado. O livro se propõe a discutir a “Amazônia” como lugar de um imaginário híbrido e heterogêneo. Para tanto, a pesquisadora tece suas análises a partir do livro Coronel de Barranco, escrito pelo manauara Cláudio de Araújo Lima (1908-1978).

O romance Coronel de Barranco é narrado no espaço de 50 anos (1876-1926) pelo personagem Matias Cavalcanti de Lima e Albuquerque. A história inicia discorrendo sobre a saída das sementes Hevea Brasiliensis do Brasil e do auge do ciclo econômico da borracha, primeiro na Amazônia, depois na Europa e na Ásia.

O livro de Francielle Modesto dialoga com a perspectiva dos processos de hibridização cultural e abre a possibilidade de se observar o percurso das personagens no romance para que seja formado um “outro” olhar.

Esse viés permite a observação das culturas em que estão inseridas as personagens estudadas em Coronel de Barranco, suas identidades, bem como as redes de relações que marcam suas trajetórias, rumo às transformações culturais. Francielle ratifica que o estudo da obra Coronel de Barranco é necessário para conhecer as identidades amazônicas que se formam ao se atrelar às mais diversas culturas em um mesmo universo.

“A identidade híbrida surge como um elemento questionador das relações entre o autóctone e o “estrangeiro”. Em Coronel de Barranco, as personagens apresentam-se heterogêneas em seus universos sociais, históricos e culturais, desfazendo o senso comum de que cultura é em tudo homogênea. Ideia esta desfeita ainda mais com a chegada do povo nordestino, que migra para a Amazônia na expectativa de retornar com melhores condições de vida”, explica Francielle Modesto.

Livros lançados

Francielle também lançou juntamente com os professores Wagner da Costa e Aquinei Timóteo o livro “Pesquisa em comunicação: registros, olhares e narrativas” (2015). A obra discute a produção jornalística desenvolvida no estado do Acre, buscando fomentar a produção científica dos professores e de seus orientandos. O trabalho é veiculado ao grupo de pesquisa “Comunicação, Sociedade e Cultura”. O livro está estruturado em três áreas: Jornalismo Literário, Assessoria de Imprensa e Jornalismo e Meio Ambiente.

franciele clonagem

Em 2013, a professora Francielle Modesto também lançou, em parceria com os pesquisadores Francisco Pinheiro (Dandão) e Aquinei Timóteo o livro “Luzes, câmera, palavras!” (leia o livro aqui: bit.ly/1KssxsH). A obra – que versava sobre cinema – contou com a participou de diversos pesquisadores do país, como Humberto de Freitas Espeleta (Rio Branco-AC), Isabel Regina Augusto (Vitória-ES), Francielle Maria Modesto Mendes (Rio Branco-AC), Francisco Aquinei Timóteo Queirós (Rio Branco-AC), Augusto Diniz (São Paulo-SP), João Carlos de Carvalho (Cruzeiro do Sul-AC), Milton Chamarelli Filho (Rio Branco-AC), Cynthia Luderer (Barcelona-Espanha) e Ana Lucilia Rodrigues (São Paulo-SP) e Francisco de Moura Pfrainheiro.

Em 2016, Francielle lançará os livros “Imaginário na Amazônia: os diálogos entre história e literatura” pela Editora da Ufac e a obra “Jornalismo e Meio Ambiente em Pauta”, ainda sem editora.

Sobre a pesquisadora
Francielle possui graduação em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo (2008) e em Letras Inglês pela Universidade Federal do Acre (2002). Possui especialização em Psicopedagogia (2004) e é Mestre em Letras: Linguagem e Identidade pela Ufac. É doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP) e professora do curso de Comunicação Social/Jornalismo e do Mestrado em Letras: Linguagem e Identidade da Ufac.

%d blogueiros gostam disto: