Podcasts PPGLI – Conversa com as professoras Soleane Manchineri e Maria de Jesus Morais

Série Entrevistas PPGLI – Conversa com as professoras Soleane Manchineri e Maria de Jesus Morais (PPGLI/Ufac) Ep 7 Entre Rios

Nesta entrevista, a Profa. Mestra Soleane Manchineri e sua orientadora, Profa. Dra. Maria de Jesus Morais, falam sobre a pesquisa realizada, no ano de 2020, a respeito das trajetórias do Povo Manchineri, no Estado do Acre, Brasil. Entrevistadora: Andreana Lucas e Souza. Equipe Técnica: Maiara Rio Branco, Raquel Ishii.
  1. Série Entrevistas PPGLI – Conversa com as professoras Soleane Manchineri e Maria de Jesus Morais (PPGLI/Ufac) Ep 7
  2. Série Entrevistas PPGLI – Conversa com o professor Marcello Messina (PPGLI/Ufac/UFPB) Ep 6
  3. Série Entrevistas PPGLI – Conversa com o professor Francisco Bento da Silva (PPGLI/Ufac) Ep 5
  4. Intervenções Bárbaras – Ep 4
  5. Intervenções Bárbaras – Ep 3

Chamada para publicação em Dossiê Mídias e Filme Interativo está aberta até 10 de maio de 2022

Foto divulgação

Está aberta para a submissão de artigos direcionados ao dossiê temático Mídias e Filmes Interativos para a nova edição do periódico eletrônico Muiraquitã: Revista de Letras e Humanidades, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade da Ufac.

O dossiê busca unir novos conceitos, tendências tecnológicas, técnicas, sociais e culturais no cruzamento dos suportes audiovisuais e literários com as possibilidades de interação e imersão dos espectadores.

A edição de n. 10 vol. 01 pretende conhecer e refletir as ações culturais, acadêmicas e profissionais inovadoras e experimentais que possam agregar conhecimento nas seguintes subáreas: Arte algorítmica; Arte generativa; Cultura digital; Design de interação e usabilidade; Filme interativo; Jogos sérios; Literatura interativa; Mídia digital; Realidade virtual, aumentada e mista; Tecnologias interativas.

Tendo como organizadores os pesquisadores Bruno Mendes da Silva e Jorge Carrega, ambos da Universidade do Algarve, Portugal, a edição está prevista para julho de 2022 e o prazo para envio de artigos é até dia 10 de maio de 2022, por meio do sistema da revista disponível no link: https://periodicos.ufac.br/index.php/mui/about/submissions

Cultura e identidade em escola indígena Ixūbãy Rabuĩ Puyanawa é tema de dissertação defendida no PPGLI

Foto: Defesa de dissertação de Vildna

A mestranda do Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagem e Identidade (PPGLI) da Universidade Federal do Acre (Ufac), Vildna Dias da Costa, defendeu sua dissertação intitulada Discursos da escola indígena Ixūbãy Rabuĩ Puyanawa: reafirmação/valorização cultural e identitária do povo Puyanawa no dia 29 de dezembro, com transmissão ao vivo pelo canal Ceprodoc, no Youtube, às 08h (horário do Acre).

A mestranda teve como problemática compreender “quais os discursos centrais da Escola Ixŭbãy Rabuῖ Puyanawa que norteiam o trabalho pedagógico de valorização e fortalecimento das características culturais e identitárias do povo Puyanawa”.

O trabalho de Vildna objetivou analisar os discursos da Escola Escola Ixῦbãy Rabuῖ Puyanawa que contribuem para a valorização da memória e da identidade do povo Puyanawa na aldeia Barão/Ipiranga. 

“A escola Ixubãy Rabuî trabalha a memória coletiva na perspectiva de fortalecimento de sua cultura e reivindicam uma cultura ou uma história comum como o fundamento de sua identidade”, concluiu Vildna em sua apresentação.

A banca avaliadora foi composta pelo professor Dr. Shelton Lima de Souza, Universidade Federal do Acre (UFAC), examinador interno, o professor Dr. Aldir Santos de Paula da Universidade Federal do Alagoas (UFAL), examinador externo, e a professora da UFAC e docente do PPGLI, Dr. Valda Inês Fontenele Pessoa, orientadora da mestranda. Após a apresentação da dissertação,  foi realizada a leitura da ata pela professora orientadora constando a aprovação da mestranda.
Acesse a defesa de Vildna Dias da Costa no link: https://www.youtube.com/watch?v=MUBq0LJZqsw&t=140

Defesas públicas do PPGLI contam com Tradutores/Intérpretes de Libras

Desde o mês de outubro de 2021, as defesas públicas de dissertação do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade têm contado com o apoio do Núcleo de Apoio à Inclusão – NAI da Universidade Federal do Acre.

A cada defesa, dois servidores da instituição são designados para realizar o trabalho de intérpretes em Língua Brasileira de Sinais com vistas a incluir a comunidade surda nas ações do programa. Já foram realizadas 08 defesas com o acompanhamento dos Tradutores e Intérpretes de Libras/LP, Sônia França e Victor Nazário.

Para o coordenador do PPGLI-Ufac, a presença dos Tradutores e Intérpretes representa uma mudança importante nas ações do programa. “Nós vemos como um avanço para as atividades públicas do PPGLI. Hoje, nós já temos discentes surdos cursando mestrado e as disciplinas ofertadas já contam com esse apoio. Agora, as defesas que ocorrem sempre como uma atividade para um público mais amplo, também devem ter a presença dos Tradutores e Intérpretes de Libras. Esperamos poder realizar todas as ações em 2022, incluindo eventos do programa, com a significativa parceria do NAI”, concluiu o coordenador.

PPGLI encerra série de sessões de defesas de 2021 com dissertação sobre os trabalhadores e trabalhadoras do cemitério são João Batista, em Rio Branco

Com o Título Entre as Palavras e as Pedras: Os Fatos de Memórias e as Vivências Técnicas por Trabalhadores e Trabalhadoras do Cemitério São João Batista, em Rio Branco, Acre, Poliana de Melo Nogueira apresenta defesa de dissertação de mestrado do Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagem e Identidade da Ufac (PPGLI/Ufac), nesta última quarta-feira, 29. A sessão, realizada de forma virtual por meio do canal Ceprodec no Youtube, está disponível no link https://www.youtube.com/watch?v=-iqDlcVXUus.

Finalizando o ciclo de defesas do PPGLI em 2021, a banca examinadora da apresentação é composta pelo prof. Dr. Francisco Aquinei Timóteo Queiroz, integrante do PPGLI/Ufac e prof. Dra. Mara Genecy Centeno Nogueira, membra do PPGLI da Universidade Federal de Rondônia (Unir), bem como o orientador prof. Dr. Gerson Rodrigues de Albuquerque, também coordenador do PPGLI/Ufac.

A dissertação foi transmitida pelo canal Ceprodoc. Foto: Divulgação

A candidata apresentou os percursos metodológico da sua pesquisa, bem como os resultados obtidos com o estudo. Poliana ressalta que a proposta da temática junto ao PPGLI foi fruto de experiências que adquiriu no período de graduação em História. “durante graduação participei do PIBID/Ufac no qual estavam sendo realizados alguns projetos que envolviam o cemitério, e, com isso, despertou uma curiosidade acerca da temática”, explicou a mestranda.

Segundo Poliana Nogueira a dissertação tem por objetivo analisar as narrativas elaboradas pelos sujeitos dialogando com suas experiências e sociabilidades, além de problematizar os processos de elaboração simbólica dos corpos e do espaço cemiterial presentes nas narrativas dos trabalhadores. “Um outro objetivo era dialogar sobre o discurso e processos de “banimento da morte” e suas relações com a conformação do cemitério”, ressaltou Nogueira.

A aluna conta ainda que o estudo está organizado em três sessões, sendo a primeira um diálogo com autores e conceitos, a segunda a análise das relações entre cemitério e cidade e na terceira um diálogo com as narrativas dos trabalhadores e trabalhadoras do cemitério São João Batista.

A prof. Dra. Mara Nogueira parabenizou o encerramento do ciclo de pesquisa da candidata. “Parabéns pelo desafio que teve de pesquisar essas narrativas e memórias dos trabalhadores. Acredito que não tenha sido um trabalho fácil. Destaco também a escrita da Poliana, entregando um texto bastante prazeroso de ser lido”, pontuou a examinadora.   

“Essa é minha primeira participação como examinador da banca do PPGLI, e fico muito feliz por examinar um trabalho com essa densidade e problemáticas que a Poliana suscita, pois minhas pesquisas, também, se voltam para compreensão desses sujeitos ditos comuns, subalternos, que margeiam os contextos sociais e históricos,” salientou o prof. Dr, Aquinei Queiroz.  

Após avaliar a apresentação em sessão privada, os examinadores da banca atribuíram como aprovada a dissertação da candidata Poliana de Melo Nogueira, concedendo, assim, o título de mestra em Letras: Linguagem e Identidade.

“Obrigado as pessoas que contribuíram nesse processo, ao meu orientador, amigos e família, aos examinadores pelas contribuições e, principalmente, aos trabalhadores e trabalhadores do cemitério São João Batista, pois sem eles não seria possível concluir essa pesquisa”, externou Poliana de Melo Nogueira.

Série Entrevistas PPGLI – Conversa com o professor Marcello Messina (PPGLI/Ufac/UFPB) Ep 6

Série Entrevistas PPGLI – Conversa com as professoras Soleane Manchineri e Maria de Jesus Morais (PPGLI/Ufac) Ep 7 Entre Rios

Nesta entrevista, a Profa. Mestra Soleane Manchineri e sua orientadora, Profa. Dra. Maria de Jesus Morais, falam sobre a pesquisa realizada, no ano de 2020, a respeito das trajetórias do Povo Manchineri, no Estado do Acre, Brasil. Entrevistadora: Andreana Lucas e Souza. Equipe Técnica: Maiara Rio Branco, Raquel Ishii.
  1. Série Entrevistas PPGLI – Conversa com as professoras Soleane Manchineri e Maria de Jesus Morais (PPGLI/Ufac) Ep 7
  2. Série Entrevistas PPGLI – Conversa com o professor Marcello Messina (PPGLI/Ufac/UFPB) Ep 6
  3. Série Entrevistas PPGLI – Conversa com o professor Francisco Bento da Silva (PPGLI/Ufac) Ep 5
  4. Intervenções Bárbaras – Ep 4
  5. Intervenções Bárbaras – Ep 3

Dissertação defendida no PPGLI aborda narrativas de cura no Acre Federal e em Manaus

Foto: Defesa de dissertação de Adicleia Nascimento de Souza

Na tarde desta terça-feira, 28 de dezembro, a mestranda do Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagem e Identidade da Universidade Federal do Acre (Ufac), Adicleia Nascimento de Souza, defendeu a dissertação com o título Narrativas sobre saúde, doenças e curas no Acre Federal e em Manaus (1890 a 1930), pelo canal Ceprodoc no Youtube, às 15h (horário do Acre).

A apresentação é uma análise histórica sobre a cultura da “arte de curar” no Acre Federal e em Manaus, entre os anos de 1890 e 1930. Adicleia realizou a pesquisa a partir do site da hemeroteca digital da Biblioteca Nacional Brasileira, buscando jornais que abordassem a presença de rezadores, curandeirismo, feitiçarias e pajelanças e suas formas de atuação na Amazônia, bem como aspectos de criminalização dessas práticas, a partir da instituição do código penal em 1890. A mestranda analisou a relação de práticas de cura e a cultura dos povos amazônicos, pensando cultura a partir dos estudos de Stuart Hall.

A banca avaliadora foi composta pela professora Dra. Andréia Moreira de Andrade, Universidade Federal do Acre (UFAC), examinadora interna, o professor Dr. André Vasques Vital, do Centro Universitário de Anápolis – GO, examinador externo, e o professor da UFAC e docente do PPGLI, Dr. Francisco Bento da Silva, orientador da mestranda. Após a apresentação da dissertação,  foi realizada a leitura da ata pelo professor orientador constando a aprovação da mestranda Adicleia Nascimento.

A defesa está disponível para acesso no link: https://www.youtube.com/watch?v= BHW2TOOMlYs & t=1453s.

Discurso sobre a loucura é tema de pesquisa em dissertação defendida no PPGLI

Dando início à programação de defesas de dissertação de mestrado agendadas para o final dezembro de 2021, na tarde desta terça-feira, 28, a aluna mestranda do Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagem e Identidade (PPGLI) da Universidade Federal do Acre (Ufac), Maiara Pinho de Oliveira, realizou a apresentação e defesa da dissertação intitulada Loucura, Louco e Louca no Estado do Acre: Interpelando “Notícias” de Jornais e Outros Escritos. A sessão foi transmitida às 8h (horário local) pelo canal Ceprodoc no Youtube, disponível no link https://www.youtube.com/watch?v=pOyxMLOtW70

A banca avaliadora foi composta pelo Prof. Dr. Marcello Messina, na qualidade de orientador, e pela Prof. Dra. Maria de Jesus Morais, examinadora interna do PPGLI/Ufac, pela Prof. Dra. Ivânia dos Santos Neves, Universidade Federal do Pará (UFPA), examinadora externa.

Sessão ocorreu de forma online pelo canal do Ceprodoc. Foto: Divulgação

A mestranda destacou os percursos traçados dentro do programa, no qual construiu seu objeto de pesquisa a partir da experiência que teve no Hospital de Saúde Mental do Acre (Hosmac), onde atuou como acompanhante terapêutica de uma residente, no período de dois anos durante estágio supervisionado na instituição. 

“A pandemia impossibilitou a continuação da pesquisa, já que necessitava ir até o local de forma presencial. Apesar disso, decidi dar continuidade e precisei definir novos objetivos de base empírica onde, a partir das análises de notícias de jornais, encontramos elementos da história da loucura no Acre. Defini uma nova linha de estudo que acabou se tornando o meu objetivo final da minha pesquisa”, explicou Maiara Pinho de Oliveira.

A pesquisa de dissertação da mestranda utilizou como base de estudo 60 notícias  extraída de  jornais, como, por exemplo, a notícia que trata de uma crônica ou causo intitulado “Como se Livrar do Indesejável” do jornalista José Chalub Leite, do jornal Seminário da Gente Acreana, de 1980. 

A aluna expôs os elementos analisados a partir das notícias, destacando o protagonismo das instituições sobre a loucura e os sujeitos e sujeitas considerados loucos e loucas. “Para grande parte das notícias não são apresentadas dúvidas de quem se fala. O louco e a louca são dados objetivos, resumidos à simples fórmulas para serem internados”, conclui Maiara Oliveira. 

Segundo a professora Ivânia dos Santos Neves, é de suma importância falar sobre saúde mental principalmente em um momento como este que estamos vivendo. “A pandemia demonstrou essa relevância sobre a nossa saúde mental. Parabenizo Maiara e Marcello por terem chegado até o final do trabalho, pois muitas pessoas não estão conseguindo, justamente por terem sua saúde mental afetada pelo contexto da pandemia”, externou a examinadora.

“Estou muito orgulhoso com o percurso da Maiara, desde a escrita do texto de qualificação até este ponto do trabalho que evidencia a coragem e perfeccionismo com a dissertação”, comentou o orientador Marcello Messina.

A dissertação foi aprovada pela banca examinadora após concluir que o trabalho cumpre os requisitos do que se espera de uma dissertação.

“Agradeço pelo resultado da aprovação. Agradeço, também, aos meus familiares e amigos que me acompanharam nesse percurso, e reitero o meu objetivo principal de que esse texto sirva para a luta antimanicomial aqui no nosso estado”, comemorou Maiara Oliveira.